Passar para o Conteúdo Principal Top
Logotipo Centro Hospitalar São João

São João utiliza biomaterial em cirurgia Ortopédica que evita próteses e complicações

21 de Julho de 2014
Biomaterial site 1 1024 550

Investigadores e engenheiros portugueses estão a desenvolver materiais usados em cirurgia ortopédica que permitem a substituição do osso no próprio corpo. O Centro Hospitalar de São João (CHSJ) já recorre a estes biomateriais em certas patologias de foro ortopédico. Benefícios em termos de velocidade da recuperação e qualidade de vida dos doentes fizeram-se sentir de imediato. A empresa nacional responsável pela produção do material já exporta este produto de referência mundial.

A função destes biomateriais prende-se com a fixação ou preenchimento ósseo, substituindo partes integrantes do osso. Nas palavras de Rui Pinto, diretor do Serviço de Ortopedia do CHSJ, “quanto mais parecida for a porosidade e a composição química do biomaterial, maior é a probabilidade das nossas células o reconhecerem e integrarem no nosso organismo como se fosse composição óssea da própria pessoa”.

“Após a cirurgia, a recuperação é muito mais rápida pelo facto do biomaterial ser reconhecido pelo organismo aumentando a qualidade da vida do doente em termos de recuperação por reduzir complicações”, acrescenta o diretor de serviço.

Este material é usado no Serviço de Ortopedia do Centro Hospitalar de São João em casos de deformidade de joelhos e ombros, bem como em casos de trauma ou lesões decorrentes de acidentes desportivos.

“Nos casos do uso deste biomaterial para preencher defeitos, a dor é fortemente diminuída por serem evitadas as desvantagens associadas à colheita de excerto ósseo retirado doutras partes do corpo” afirma Manuel Gutierres, cirurgião ortopédico do CHSJ, especializado neste novo procedimento.

Os biomateriais usados proporcionam o efetivo preenchimento do osso sendo que “substitui o fosfato de cálcio e é reconhecido pelas células como tal, o que possibilita a colonização o material e permitem a substituição óssea”, explica José Domingos Santos, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.