Passar para o Conteúdo Principal Top
Logotipo Centro Hospitalar São João

Investigadores do São João provam que a pré-diabetes não influencia diretamente o desenvolvimento de doença renal

11 de Abril de 2018
Equipa de 3 site 1 1024 550
João Sérgio Neves, Ana Oliveira e Davide Carvalho, endocrinologistas do Centro Hospitalar São João, venceram um “ESE (European Society of Endocrinology)Young Investigator Awards”- que destaca os melhores trabalhos submetidos por Jovens Investigadores - com um estudo que desenvolveram no âmbito do European Congress of Endocrinology,  que concluiu que a pré-diabetes não se associa significativamente a um aumento do risco de incidência e progressão da doença renal. O trabalho será apresentado no Congresso Europeu de Endocrinologia que este ano irá decorrer em Barcelona entre 19 e 22 de Maio.
 
Intitulado:"Association between prediabetes and incidence of chronic kidney disease, incident albuminuria, or worsening of kidney function: a secondary analysis of the SPRINT trial", este estudo tem como objetivo a avaliação do impacto da pré-diabetes na função renal. 
 
De acordo com João Sérgio Neves, “o trabalho teve por base a análise secundária de um ensaio clínico internacional multicêntrico denominado "Systolic Blood Pressure Intervention Trial (SPRINT)". Os autores compararam a progressão da doença renal em doentes hipertensos com e sem pré-diabetes e concluíram que a pré-diabetes não se associa significativamente a um aumento do risco de incidência e progressão da doença renal.”
 
“Os resultados do estudo são relavantes para a prática clínica por salientarem que, em populações com pré-diabetes, o risco de doença renal parece estar mais associado a outros fatores de risco, particularmente a hipertensão, e não ser necessariamente uma consequência direta da pré-diabetes. Neste grupo populacional, o principal foco de intervenção deverá ser o adequado controlo global dos fatores de risco para doença renal e a prevenção da progressão para diabetes que comprovadamente se associa a elevado risco de doença renal”, explica o clínico.
 
O estudo contou com a colaboração de jovens médicos investigadores de diferentes especialidades e de unidades de saúde e de ensino da Grande Lisboa - o Centro Hospitalar Lisboa Norte, o Hospital Garcia de Orta, o Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca, a NOVA Medical School, o Hospital de Dona Estefânia) que se têm dedicado a analisar dados nacionais e internacionais para avaliar o impacto de diferentes fatores de risco em doenças endócrinas, renais e cardiovasculares.