Passar para o Conteúdo Principal Top
Logotipo Centro Hospitalar São João

São João cria projeto de combate à hepatite C na população sem-abrigo do Porto

01 de Março de 2019
Gastroentre site 1 1024 550
O Serviço de Gastrenterologia do Centro Hospitalar Universitário São João (CHUSJ) assinou um protocolo com a Associação de Albergues noturnos do Porto e com a Associação Abraço, no sentido de rastrear e tratar as pessoas infetadas com Hepatite C, acolhidas nas instalações daquela entidade.

Trata-se de um projeto pioneiro cujo objetivo central é erradicar a Hepatite C em Portugal, combatendo o vírus por diversos grupos sociais, através da estratégia da microeliminação (eliminação da doença por diferentes nichos de risco da sociedade). O Serviço trabalhou anteriormente com a população reclusa de um estabelecimento prisional do distrito do Porto e acabou por curar todos os reclusos infetados com Hepatite C. Esta situação serviu de exemplo e foi replicado em todo o país, contribuindo, assim, para a redução do risco de contaminação na sociedade.

O protocolo pretende englobar toda a população adulta que recorre aos Centros de Alojamento Temporário da Associação dos Albergues Noturnos do Porto, cria condições para o atendimento clinico local, bem como identifica e trata as pessoas infetadas pelo VHC. “Os médicos do CHUSJ deslocam-se às instalações da Associação dos albergues do Porto para rastrear e tratar as pessoas infetadas pelo vírus, o que promove muito o sucesso do projeto”, explica Guilherme Macedo, diretor do Serviço de Gastrenterologia do CHUSJ e mentor do projeto.

Nas palavras do clínico, “ao longo de seis meses, a todos estes indivíduos será facultada a realização de exames complementares de diagnóstico e será efetuada a avaliação da doença hepática associada à infeção, seguido de um plano terapêutico com antivírus de ação diretas de acordo com as normas da Direção-Geral da Saúde (DGS). A identificação do vírus far-se-á pelo teste diagnóstico VHC fornecido pela associação Abraço”.

“Cada doente terá assim calendarizado duas colheitas de sangue, uma elastografia hepática e três consultas no Centro de Alojamento Temporário realizadas pelos médicos do CHUSJ. A expectativa de cura da infeção é de 99% dos doentes identificados”, remata Guilherme Macedo.

De acordo com o Jornal Europeu de Gastrenterologia e Hepatologia, em Portugal, no ano de 2016, a prevalência de anticorpos de hepatite C era de 0.54%.