Passar para o Conteúdo Principal Top
Logotipo Centro Hospitalar São João

Serviço de Imunoalergologia do São João é escolhido como centro de excelência internacional

03 de Maio de 2019
Servi o de imunoalergologia do s o jo o   escolhido como centro de excel ncia internacional 1 1024 550

O Serviço de Imunoalergologia do Centro Hospitalar Universitário São João (CHUSJ) foi escolhido como Centro de Excelência da Organização Mundial de Alergologia (World Allergy Organization – WAO) pelo comité de seleção dos centros de excelência deste organismo internacional. O CHUSJ torna-se, assim, na única unidade de saúde do SNS a fazer parte deste grupo restrito e a integrar os 28 centros em todo o mundo.

De acordo com Lanny Rosenwasser, diretor executivo dos centros de excelência da WAO, “a organização mundial de Alergologia congratula-se de acolher no seu seio o Serviço de Imunoalergologia do Centro Hospitalar Universitário São João. O principal propósito dos centros de excelência da WAO é a intensificação da multidisciplinariedade da inovação e da educação científica e clínica nas áreas da Alergologia, Asma e Imunologia Clínica”.

Esta distinção reconhece o Serviço de Imunoalergologia como “um centro de excelência no diagnóstico e tratamento das doenças imunoalérgicas, na investigação e formação médica. Por outro lado, permite que o Serviço possa estabelecer parcerias com a WAO no âmbito da investigação e inovação clínicas, em programas de formação de profissionais de saúde e na promoção de cuidados médicos de excelência junto dos doentes e suas associações, comunidade e também da tutela”, explica José Plácido, diretor do Serviço de Imunoalergologia do CHUSJ.

Os critérios de maior importância para a obtenção desta distinção são a atividade clínica (número e tipo de consultas), o grau de inovação dos meios complementares de diagnóstico e procedimentos terapêuticos realizados, a idoneidade e capacidade formativa em Imunoalergologia, a produção científica e a participação em programas de formação e de divulgação da especialidade.

Ao permitir que o Serviço tenha uma maior visibilidade na comunidade científica internacional, “esta distinção acarreta exigências e responsabilidades. Teremos de prosseguir na política de elevada exigência na prestação de cuidados médicos e na capacidade formativa dos internos e profissionais de saúde em geral. Em função desta parceria haverá mais oportunidades de participar a nível internacional em projetos de investigação, em programas de formação e educacionais patrocinados por esta organização. No entanto, tal exigirá ainda uma maior participação e empenhamento dos profissionais do Serviço”, remata o diretor do serviço.