Passar para o Conteúdo Principal Top
Logotipo Centro Hospitalar São João

Oncologia de Adultos - Cancro do Reto

Oncologia de Adultos - Cancro do Reto
O CR dispõe de uma consulta de grupo em que todos os casos clínicos de Cancro do reto e canal anal referidos a qualquer dos Serviços do Hospital são obrigatoriamente alvo de apresentação prévia em Grupo Multidisciplinar para definição de estratégia terapêutica sem o que nenhum tratamento pode ser iniciado. A decisão baseia-se nas caraterísticas anatomo patológicas e estadiamento imagiológico tendo em consideração o estado geral do doente e suas co morbilidades discutuidas nas reuniões de Morbimortalidade, reuniões Anatomo-clínicas.
 
Não havendo geralmente lugar a tratamentos neoadjuvantes, admite-se que os casos de cancro do cólon possam ser alvo de apresentação ao Grupo Oncológico em fase posterior à cirurgia, havendo no entanto uma tendência para serem igualmente alvo de apresentação prévia.  todas as apresentações de casos clínicos são registadas em livro de Actas desde 2001 sendo simultaneamente (desde 2008) inscrito na página própria do S. Clinico o relato circunstanciado de cada caso, a decisão do Grupo com a sua fundamentação.
 
Os representantes da gastrenterologia usam sistematicamente a reunião de grupo para referirem os casos diagnosticados em colonoscopias realizadas no Serviço, assim como os casos de carcinoma exertado em pólipos ressecados. Os exames radiológicos preconizados por rotina são a TAC toraco abdominal e RMN pélvica recorrendo-se igualmente a Ecografia endo anal e ecoendoscopia nos casos de tumores pequenos, baixos com eventual indicação para excisão local. Assim na doença metastática síncrona ou metácrona a estratégia de tratamento é sempre definida por audição dos Grupos Oncológicos Colo retal e hépato bilio pancreático.
 
A patologista e a Oncologia médica são as mesmas em ambos os grupos, o que facilita a articulação. Assim fica salvaguardada a neoadjuvância assim como a definição de qual a cirurgia primária. Sob o mesmo protocolo clínico e submetendo-se voluntariamente à definição de estratégia do Grupo de Oncologia Colo Retal do Centro Hospitalar de São João são analisados os casos de carcinoma colo retal do Centro Hospitalar Tâmega e Sousa que são igualmente apresentados semanalmente no Grupo Multidisciplinar de Oncologia Colo Retal do CHSJ para definição prévia de estratégia (cancro do reto e canal anal) e eventual tratamento adjuvante / paliativo do cancro do cólon. São ainda realizadas Reuniões de Morbimortalidade semanalmente onde são analisados todos os casos internados ou em vigilância pelos seus elementos e reuniões Anatomo-clínicas ao longo do ano, com o serviço de Anatomia Patológica, com periodicidade regular, onde são analisados casos clínicos ou anatomopatológicos de características relevantes do ponto de vista científico e clínico. Em cerca de 15 dias uteis o CHSJ assegura o estadiamento completo das neoplasias retais permitindo a sua apresentação em Grupo Oncológico.  
 
O tratamento inicia-se em média 15 dias após a decisão terapêutica. Após a inscrição na LIC de qualquer doente com patologia oncológica colo retal a cirurgia é garantida com uma espera máxima de duas semanas. O CR  CHSJ possui em funcionamento a mais antiga consulta de ostomizados do Norte do País com a orientação da Enfª Maria Manuel Castro. Os protocolos de atuação em Cancro do Cólon Reto e Anus estão publicados na Intranet e foram alvo de estudo e aprovação pela Comissão de protocolos do CHSJ. Baseiam-se nas Guidelines do NCCN e ESMO.
 
O CR está inscrito no Projeto Cancro do Reto da Sociedade Portuguesa de Cirurgia que à imagem dos sistemas de auditoria nórdicos e do Projeto Vickingo de Espanha visa auditar e controlar a qualidade da cirurgia e correção do diagnóstico, estadiamento e protocolos utilizados no tratamento dos doentes. O Coordenador do CCR integra a Comissão de coordenação do referido Projeto. A Unidade de Cirurgia Colo Retal Organiza STS (Cursos “Surgeon to Surgeon”) em que cirurgiões de outros hospitais de Portugal e Espanha têm vindo familiarizar-se com os procedimentos laparoscópicos em cirurgia do cancro do reto) e Cursos mais extensos (5 dias úteis) dirigidos especialmente a cirurgiões de países do Leste Europeu (Checos, Polacos, sérvios etc.) com palestras teóricas e frequência do bloco operatório também em cirurgia laparoscópica do reto. Anualmente a Unidade organiza Jornadas sobre Patologia Colo Retal que decorrem no último sábado do mês de março e que por duas vezes nos últimos 3 anos versaram os temas “ O que há de novo em Cancro de Reto” e “ Cancro do Reto, desafios da doença avançada”.
 
A casuística do Serviço de Cirurgia Geral em tratamento Cancro do Reto é significativa tendo sido executadas nos últimos dois anos 85 Ressecções anteriores do reto e 21 amputações abddomino peritoneais. Foram executados por laparoscopia 42% destes procedimento. O CCR CHSJ executou nos anos 2013 e 2014 cento e dezasseis cirurgias de carcinoma do reto o que dá uma média de 58 casos / ano. O CR executou no mesmo período 316 cirurgias de ressecção de cancro do cólon o que dá uma média de 158 casos / ano. A taxa de recidiva local calculada para o biénio referido foi de 5,2%.
 
O CR possui o seu próprio Serviço de Registo Oncológico que garante a veiculação em tempo útil dos casos de patologias Oncológicas ao RORENO e tem vindo a participar e estudos clínicos multicêntricos coordenados pela ESCP (European Society of Coloproctology). Monitoriza A taxa de sobrevida global Mortalidade Hospitalar; Complicações pós operatórias; Taxa de deiscências; Taxa de reintervenções não programadas; Radicalidade da Cirurgia R0; R1 e R2; Taxa de colostomias definitivas; A sobrevida mediana aos 5 anos dos doentes de cancro do reto que realizaram tratamentos em adjuvantes ou neo adjuvantes (incluindo todos os estádios); A taxa de recorrência local; A casuística do Serviço de Cirurgia Geral em tratamento Cancro do reto.
Reuni o multidisciplinar 1 1024 2500
Angiografia digital 1 1024 2500
Cirurgia lapr scopica 1 1024 2500
Corredor servi o 1 1024 2500
Enfermaria 1 1024 2500